Economia de Serviços

um espaço para debate

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 300 outros assinantes

Tag: serviços financeiros

Inovações tecnológicas e competição no setor bancário

Quando o banco concede um empréstimo, ele faz a seleção de clientes, canaliza recursos dos investidores para os clientes com melhor relação risco-retorno e, depois, os monitora. Os bancos são mais eficientes na seleção e monitoramento de clientes pela economia de escopo conferida por um relacionamento bancário. Uma única análise de crédito subsidia o oferecimento de diversos produtos, diluindo seus custos, e o próprio relacionamento torna mais barata a análise de crédito, pois gera, praticamente sem custos, informações úteis como o histórico de pagamentos e de uso de linhas de crédito.

No entanto, o custo de construção de um relacionamento bancário é afundado. Afinal, pela natureza das informações, sigilosas ou não-verificáveis, o banco não consegue ofertar um relacionamento com um cliente, mesmo que seus concorrentes se dispusessem a comprar e eles não o fariam. É um resultado clássico que se o preço refletir incertezas do comprador sobre a qualidade da mercadoria, o vendedor tem incentivo a vender as mercadorias da pior qualidade, levando o mercado a um equilíbrio em que só há mercado para as piores, mecanismo conhecido como seleção adversa.

Custos afundados são uma barreira à entrada e suavizam a competição. Um entrante potencial precisa de lucros no mínimo suficientes para cobrir os custos afundados – única forma de recuperá-los. Assim, quanto maior for o volume desses custos, maior o risco do entrante. Consequentemente, um mercado cujo acesso traz custos afundados é menos ameaçado por entrantes potenciais. No caso dos bancos, o custo afundado de construção de relacionamentos tem ainda um outro papel deletério ao spread.

Bancos criam liquidez, transformando ativos ilíquidos em instrumentos financeiros de maior liquidez. Naturalmente, para que se crie liquidez e que se cobre pelo serviço é necessário que o ativo não tenha liquidez originalmente. O ativo em questão são os empréstimos originados pelo banco e a iliquidez dos seus mercados secundários é causada pelo fato que o banco que os originou tem mais conhecimento sobre eles que os potenciais compradores. Outra vez, um mecanismo de seleção adversa entra em ação e o mercado perde liquidez, exigindo grandes descontos do vendedor.

Inovações tecnológicas têm o potencial de mitigar a seleção adversa e, portanto, intensificar a competição no setor bancário. Nesse sentido, cabe especular o potencial de uma análise de crédito que incorpore informações como o perfil nas redes sociais e o histórico de movimentação conforme dado pelo GPS do smartphone e gere um rating através de algoritmo desenvolvido com milhões de observações. É natural conjecturar que o gerente de relacionamento médio não teria vantagem frente a uma decisão automatizada, além de implicar em um custo maior ao longo do tempo.

Mesmo sem um serviço de análise de crédito tão abrangente, já é possível construir modelos competitivos de intermediação financeira menos dependentes de relacionamentos e, portanto, com menos custos afundados e menos barreiras à entrada. A proliferação de plataformas de distribuição é um exemplo. Hoje é possível aos bancos pequenos e médios captar recursos no varejo, mesmo sem qualquer outro tipo de relacionamento com o investidor. Da mesma forma, é possível investir em fundos lastreados em operações de crédito ou ainda conceder crédito diretamente em plataformas ditas peer-to-peer.

O relacionamento pode ser substituído por um rating. Afinal, parafraseando um esquete popular na crise, o banco regional alemão não compraria um derivativo de crédito vinculado ao mercado imobiliário americano se este não fosse endossado por um rating grau de investimento. A cobertura das agências de rating, por sua vez, depende do custo de se obter informações, que caiu enormemente graças à tecnologia. Os três maiores birôs de crédito nos EUA possuem mais de um bilhão de registros cada um, número difícil de se imaginar sem os avanços da informática.

Com mais informações, o mercado secundário de empréstimos fica mais líquido, o que diminui o spread bancário por dois canais. Parte do spread é a remuneração do banco pelo risco de liquidez que o cliente lhe transfere. Sendo o risco menor, menor o spread. Além disso, há o “efeito Tostines”: o mercado é líquido porque tem mais participantes ou tem mais participantes porque é líquido? Em outras palavras, a liquidez do mercado o torna atraente a uma gama maior de participantes, pressionando o spread via maior competição. O gráfico abaixo mostra como há uma relação negativa entre o percentual de ativos de instituições financeiras não bancárias como percentual do PIB e o spread bancário.

Para impulsionar essa dinâmica, políticas públicas podem ser vislumbradas em duas dimensões: desobstruindo o fluxo de informações para birôs de crédito, como foi feito com o cadastro positivo, e modulando a regulação, de modo que haja uma “caixa de areia” regulatória, na qual novos entrantes possam testar novos modelos de negócio em pequena escala antes de incorrerem integralmente nos custos de observância, que são necessários, mas afundados. Em relação a esse último ponto, medidas que imprimam segmentação e proporcionalidade ao arcabouço regulatório são muito bem-vindas.

Caio Praes é doutorando em economia pela Universidade de Brasília — UnB.

Fintechs: como novos modelos de negócios e tecnologias estão promovendo a destruição criativa

Na visão do Banco Mundial, que mede anualmente a inclusão financeira no mundo, por meio do seu Global Findex, ter uma conta que permita aos adultos guardar dinheiro e realizar pagamentos é fundamental para a erradicação da pobreza. Além disso, segundo a instituição, o maior acesso ao sistema financeiro pode impulsionar a criação de empregos e aumentar os investimentos em educação.

Segundo dados do IBGE, aproximadamente 42% dos adultos brasileiros não possuem conta em banco. No mundo dos negócios, é possível perceber de forma nítida o insatisfatório acesso dos microempreendedores individuais e micro e pequenas empresas a crédito e outros serviços financeiros. De acordo com pesquisa do Sebrae, 30% dos pequenos negócios não possuem qualquer relacionamento com bancos. Se pensarmos nos negócios informais, que possuem estatísticas expressivas no nosso país, esse acesso inexiste, pelo menos dentro de seu contexto mais tradicional.

Ao que parece, novas tecnologias, aliadas a novos modelos de negócios, encontraram uma alternativa com potencial de subverter toda a lógica do acesso a serviços financeiros e riscar de vez do mapa o termo “desbancarizados”. Estamos falando das fintechs (financial technology).

As fintechs surgiram no rastro de inovações e avanços na tecnologia da informação, como Cloud Computing, Big Data, Mobile, entre outras, principalmente explorando nichos que não eram satisfatoriamente atendidos pelos bancos. Muitas dessas pessoas e empresas que são público-alvo das fintechs não consumiam serviços financeiros. Por não terem histórico, também não tinham acesso a crédito, ou simplesmente tinham restrição no acesso a estes e outros serviços.

Além disso, as fintechs também têm captado questões cada vez mais relevantes para os consumidores e que tendem a se manter e se aprofundar. Um desses pontos é a comodidade. Para que nos preocuparmos com o horário de abertura e fechamento dos bancos tradicionais, quando podemos ter acesso e atendimento a qualquer hora pelo smartphone? Outro ponto é a economicidade: faz sentido pagar o nível de taxas cobradas atualmente pelas instituições financeiras tradicionais?

Outro ponto relevante é a possibilidade de ter, por parte da instituição financeira, uma análise de perfil mais precisa. Por que estar sujeito a uma análise parcial baseada em dados dos serviços de informação para crédito e de seu histórico de relacionamento com instituições financeiras, quando se tem à disposição a análise de diversas bases de dados, incluindo informações de redes sociais, sites de comércio eletrônico, com ferramentas capazes de cruzar e interpretar milhares de dados e informações sobre uma determinada pessoa ou empresa, aprovando ou não sua solicitação de crédito em apenas alguns minutos?

Com a rápida expansão do mercado de smartphones e a do acesso à internet, dois pontos fundamentais nos quais o modelo de negócios das fintechs está apoiado, pode-se deduzir que o potencial de crescimento desse mercado é exponencial, com capacidade de abarcar pessoas e pequenos empreendimentos que possivelmente nunca teriam acesso a serviços financeiros pelos canais tradicionais. Esse cenário é ainda mais claro levando-se em conta o lançamento de smartphones de baixíssimo custo, como o aparelho indiano de quatro dólares, ou o smartphone da Amazon de 50 dólares.

Nesse contexto, a empresa de consultoria Nous SenseMaking[1] realizou um levantamento com o objetivo de identificar as fintechs existentes no Brasil. A partir de informações das instituições representativas dessas organizações e notícias relacionadas ao tema, a empresa criou um banco de dados das fintechs do Brasil, concatenando informações como nome, segmento de atuação, tempo de abertura e etc. Vale destacar que, como este é um mercado caracterizado por startups, esse número pode sofrer alterações em um curto espaço de tempo. Como referência, o levantamento de informações foi realizado no período de 18 a 29 de julho de 2016.

Segundo esse levantamento, existem 168 fintechs no Brasil. Excluindo-se 12 empresas que não tiveram seu estado de origem encontrado, 88% das fintechs brasileiras têm como sede os estados do Sudeste do Brasil, estando 66% registradas em São Paulo, 12% no Rio de Janeiro, 9% em Minas Gerais e 1% no Espírito Santo. Os estados da região Sul aparecem em seguida: Santa Catarina concentra 3% das empresas registradas e Rio Grande do Sul e Paraná respondem por 2% cada. Ainda que essas empresas estejam sediadas principalmente nas regiões Sudeste e Sul, no seu conjunto elas possuem sede em 12 estados brasileiros. Fora dessas duas regiões, Sergipe, Ceará, Alagoas, Goiás e o Distrito Federal possuem fintechs. Cerca de 5% das fintechs em atuação no Brasil têm origem em outros países, como África do Sul, Alemanha, EUA, França, Luxemburgo e Polônia.

Um terço dessas 168 empresas atua no segmento de pagamentos[2]. O segmento de gerenciamento financeiro é o segundo maior entre as fintechs brasileiras, com 18%, seguido dos segmentos de empréstimos e negociação de dívidas (14%). O segmento menos expressivo no Brasil, por enquanto, é o de Bitcoin e Blockchain, com 3% das empresas. Apesar dessa tímida presença, é justamente nas empresas de Blockchain que se esperam os maiores impactos no futuro dos bancos e até mesmo em outras frentes e negócios, como, por exemplo, os serviços cartoriais.

O levantamento mostra, também, que a grande maioria dessas empresas tem menos de 5 anos de existência. Aproximadamente 60% delas iniciaram suas atividades a partir de 2012, sendo o ano de 2013 o ano de maior abertura das fintechs, com 20% de todas as empresas do segmento no país. Um dos fatos que mais chama atenção é que, apesar de jovens, são empresas que têm captado um considerável volume de recursos, não apenas de bancos e de fundos de investimento, mas também de setores não concorrentes de bancos ou seguradoras, como empresas fornecedoras de tecnologia, comércio eletrônico, de telecomunicações, fornecedores de infraestrutura, entre outros.

Uma questão relevante é que a maioria das fintechs no Brasil não se caracteriza como uma atividade financeira, de seguros e serviços relacionados, de acordo com sua CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) registrada. As 168 empresas identificadas estão divididas em 38 atividades econômicas distintas, estando apenas 12 delas classificadas como atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados. Isso pode explicar por que em sua maioria elas não se encontram sob a regulamentação do Banco Central. De acordo com o levantamento, 9,5% estão classificadas como “desenvolvimento e licenciamento de programas de computador customizáveis”, 7,1% como “desenvolvimento e programas de computador sob encomenda” e 6,5% como “portais, provedores de conteúdo e outros serviços de informação na internet”.

Com isso elas conseguem avançar no mercado de uma forma sutil, rápida, e sem muita condição de agrupamento, pelo menos no contexto das classificações oficiais de atividades econômicas, se constituindo um poderoso player ainda sem forma e de difícil identificação. Se por um lado esse status dá mais flexibilidade a essas empresas, é certo que a pressão por mais regulação seguirá forte. Por mais que seja compreensível uma busca por normas e leis que tragam mais segurança e confiança ao setor, é preciso ter cuidado para que essas mudanças não se tornem barreiras à entrada e à inovação, tão importante nos tempos atuais.

Brenner Lopes é Mestre em Administração com ênfase em Inteligência Competitiva e é sócio na Consultoria Nous SenseMaking.

Brenner Lopes

Mestre em Administração com ênfase em Inteligência Competitiva

Sócio na Consultoria Nous SenseMaking
[1]Nota do editor: Brenner Lopes é sócio da empresa citada.
[2]Aqui utilizou-se a segmentação proposta pela FintechLab.

A resposta dos bancos à concorrência das fintechs

 

Como exposto anteriormente aqui no blog, o fenômeno das fintechs, startups de tecnologia em serviços financeiros, avança cada vez mais no mercado internacional e no Brasil. Os bancos tradicionais estão respondendo mundialmente ao fenômeno, tanto pela aquisição de empresas como pelo desenvolvimento de suas próprias plataformas digitais para disponibilizar serviços, em particular para o público jovem e mais ávido por agilidade e praticidade — a custos menores.

No Brasil, Bradesco e Banco do Brasil apresentaram, como sua mais recente resposta, o novo cartão Digio, visando explorar o mercado até então cativo do Nubank. Utilizando o modelo de cartão de crédito com funcionalidades via aplicativo, o Digio também fornece taxas de juros inferiores a media dos cartões tradicionais, mas não tem fila de espera, o que poderá gerar um forte crescimento inicial nas adesões. O movimento pode fazer a Nubank repensar sua estratégia de avaliação de crédito mais longa e adesão por convite para fazer frente à concorrência.

Como vantagem, a Digio possui o know-how de mercado de bancos fortes, como Bradesco e Banco do Brasil. Ainda resta saber, todavia, se conseguirá explorar a crescente demanda por serviços financeiros puramente online e fornecidos de forma mais flexível, tal como a proposta do Nubank. De qualquer forma, ganha o consumidor, que terá, a sua disposição, a boa e velha pressão da concorrência que impulsiona para cima a qualidade dos serviços e para baixas taxas de transação. O próprio Banco Central já se manifestou sobre o tema, ao “encorajar o desenvolvimento dessas novas tecnologias no mercado financeiro, pois isso pode estimular a concorrência no mercado, o que impacta sua eficiência e possibilita a oferta de produtos a preços menores aos clientes, atingindo maior parcela da população”.

Mas ainda há um amplo leque de demandas por flexibilidade nos serviços a serem explorados por bancos, startups e fintechs. Reclamações de consumidores por formas mais eficientes de relacionamento com bancos e mais soluções para questões bancárias do dia a dia são apresentadas constantemente.  É o caso do Monepp, aplicativo com atuação inicial na Venezuela e que acaba de chegar ao Brasil. De forma simples, o app visa intermediar a prática de compra e venda de moeda estrangeira. O app  já se prepara para enfrentar uma ampla pressão regulatória, já que especialistas da área entendem que o que o aplicativo denomina por “troca de moedas” seria, na verdade, operação de câmbio por agente não autorizado, e sem pagamento devido de tributos, no caso do Brasil, do IOF. Por outra perspectiva, temos a demanda por bancos totalmente digitais, que já tornou realidade no País, como no caso do Banco Original, ligado ao grupo e J&F (dono da JBS e Alpargatas) e que caminha para expansão, com o Next, do Banco Bradesco.

Como já apontado pela Mcskinsey, há diversas vias pelas quais bancos podem explorar nichos de mercado ou parcerias com startups. Os bancos precisam olhar além do boom especulativo gerado pelas fintechs, repensar os nichos de mercado ainda não explorados e construir (ou comprar) as capacidades relevantes para um futuro digital.

O fim dos Bancos?

Em post anterior, exploramos o surgimento das fintechs e mostramos como essas empresas exploram avanços digitais para ganhar espaço no tradicional, caro e burocrático sistema bancário. Mas até que ponto essas startups conseguirão progredir nesse mercado tão consolidado?

As fintechs já se mostraram capazes tanto de realizar operações tradicionalmente feitas por bancos e agentes financeiros como de responder à demanda dos clientes por um atendimento mais rápido, barato e de melhor qualidade. O cliente ganha pela ampliação na oferta (já que não fica preso à prestação de serviços apenas pelo banco do qual é correntista) e pela prestação de serviços mais personalizados – as fintechs são campeãs no uso de big data, o que as possibilita entender e antever as reais necessidades de seus clientes.

Vejamos a Transfewise, por exemplo, fundada pelos estonianos Taavet Hinrikus e Kristo Käärmann. O serviço é descrito como um peer to peer lending, ou empréstimo ponto a ponto. Suponha que Antônio queira transferir recursos do Brasil para a Inglaterra, enquanto James deseja transferir recursos da Inglaterra para o Brasil. O aplicativo realiza duas transações nacionais ao invés de realizar duas transações internacionais da seguinte forma: ele retira o dinheiro da conta de Antônio no Brasil e transfere para a conta que James quer acessar no Brasil. Ao mesmo tempo, o app retira dinheiro da conta de James, na Inglaterra, e transfere para a conta que Antônio que acessar, naquele mesmo país. O serviço chega a ser 90% mais barato que o cobrado por bancos. Tal como no mercado de transferências internacionais, muitos custos de operações financeiras, antes vistos como impossíveis de serem superados, conseguem ser reduzidos por meio de soluções inovadoras.

O mais interessante é que as instituições financeiras, que possuem décadas de conhecimento sobre o mercado, poderiam ter atravessado essa fronteira tecnológica há muitos anos. Apesar de o sistema bancário ter evoluído bastante no sentido de atender à demanda por maior agilidade nas transações (como é o caso do internet banking), os bancos não se mostraram tão ativos na melhoria da interação digital com o cliente ou no oferecimento de alternativas e serviços mais baratos para transações usuais. E pouquíssimos deles são, de fato, bancos digitais. Ao invés de se mostrarem capazes de inovar na prestação dos serviços pelo avanço das ferramentas digitais, seguiram pelas formas tradicionais – e caras – de prover serviços financeiros. O resultado? Estão enfrentando a concorrência avassaladora de startups num mercado antes visto como oligopolizado e com grandes barreiras à entrada.

O mercado para as fintechs é, de fato, enorme, quando se pensa na infinidade de serviços financeiros existentes e nas taxas pagas por cada tipo de transação que se realiza em bancos – empréstimos, seguros, compra de câmbio, transferências internacionais etc. Hoje, as pessoas relutam muito menos em confiar seu dinheiro e seus dados a grandes plataformas de tecnologia. Se há cinco anos apenas 1% das pessoas confiava nessas empresas, essa taxa hoje chega a 20%, o que é um crescimento significante, de acordo com o Relatório The Future of Finance. O mesmo relatório aponta que um grupo relevante da população pesquisada espera fazer todas as suas atividades financeiras por meio de uma fintech no futuro.

Houve, nos últimos anos, crescimento significativo no volume de transações feitas por empresas de tecnologia, como é o caso da startup Sofi, que hoje atua não só em financiamentos estudantis como imobiliários nos Estados Unidos. Todavia, as fintechs ainda movimentam um volume pequeno em relação ao total  de recursos existentes no sistema financeiro. Além disso, ainda que essas empresas ampliem participação em transações habituais, esse dinheiro ainda é movimentado pela entrada e saída de recursos armazenados em bancos. Ou seja, por mais que tenhamos muitos players novos no mercado, isso não necessariamente significa uma desbancarização, ou eliminação dos bancos.

Apesar da crescente confiança em aplicativos para realizações de operações pontuais ou diárias de baixo porte, ainda é difícil imaginar clientes depositando milhares de reais em startups. A questão que fica é: os bancos conseguirão se manter como bastiões dos recursos, ou apenas como uma infraestrutura sobre a qual as fintechs atuarão? Também é possível que as fintechs acompanhem a tendência do setor de tecnologia, com a emergência de uma plataforma que domine o mercado financeiro digital (como é o caso da Google, Facebook, Amazon e Uber nos demais setores) e que passe a oferecer uma cartela de serviços, num modelo quase-banco (ou de banco digital). O difícil é prever se isso decorrerá do surgimento de um novo player no mercado ou de algum movimento de consolidação entre as empresas já existentes.

Créditos da imagem: banknxt.com

Conheça as fintechs: as startups que já deveriam estar no seu celular

Silicon Valley is coming.

Com a frase acima, o CEO da JP Morgan Chase Jamie Dimon referia-se às fintechs, novas empresas de tecnologia financeira que estão revolucionando o sistema financeiro. Essas startups exploram a revolução digital para prover serviços financeiros com flexibilidade e com a comodidade de um atendimento que tem como único intermediário o smartphone. A ausência de uma estrutura física de atendimento possibilita o fornecimento de recursos com taxas inferiores aquelas cobradas por intermediários tradicionais.

Essas empresas têm conseguido atrair de forma massiva os jovens, que são seu público-alvo justamente por sua aversão à burocracia das agências e bancos. O resultado desse fenômeno é o assustador crescimento das fintechs: em 2014, os aportes nessas empresas foram superiores a US$ 12 bilhões, o triplo do volume registrado no ano anterior.

Gráfico 1: Investimentos globais em fintechs

investment-in-fintechs

                        Fonte: Accenture, 2015.

As fintechs vão muito além do tradicional mercado bancário, com o fornecimento de recursos em diversas modalidades, como o empréstimo para pequenos negócios (OnDeck), peer-to-peer (Venmo) e crowdfunding (Kickstarter). Entre os destaques brasileiros está o Nubank: criada em 2014, a startup oferece o serviço de cartão de crédito internacional sem anuidade, com todo o controle e relacionamento feito por meio de seu aplicativo. A empresa recebeu mais de US$ 200 milhões em seu quarto aporte e já tem mais de 1,5 milhão de pessoas em lista de espera para receber o cartão.

Ainda não se sabe, todavia, se os serviços prestados pelas fintechs como o Nubank serão complementares ou substitutos aos tradicionais serviços financeiros. No grupo dos mais jovens, que costumam enfrentar questões financeiras menos complexas , o desempenho é expressivo. Iniciativas recentemente anunciadas, como a possível estruturação de um programa de milhas, sinalizam o interesse em ganhar espaço entre clientes de renda mais elevada. Mas ainda não se pode afirmar se a startup conseguirá satisfazer as demandas mais sofisticadas e mais intensivas em recursos também desses clientes. Ao que tudo indica, a própria experiência com os usuários mais jovens poderá gerar insumos suficientes para um avanço mais forte na direção de clientes mais maduros no futuro.

Permanecem em aberto, no Brasil e no mundo, questões importantes sobre como regular e supervisionar essas empresas, que também carregam consigo os riscos inerentes à qualquer atividade financeira. Além disso, mesmo com um mercado ainda em crescimento, algumas startups já iniciaram o caminho inverso, com vendas totais ou em participação para bancos.

A união, todavia, parece mutuamente benéfica, já que implica em aportes robustos e em acesso a informações sobre perfis de clientes para as startups. Do lado dos bancos, crescem as possibilidades de inovação no provimento de serviços prestados por dispositivos móveis. Para os usuários, a própria existência das fintechs em um sistema bancário concentrado como o brasileiro pode trazer benefícios, como uma corrida para prestar serviços mais baratos e de melhor qualidade.

© 2017 Economia de Serviços

Theme by Anders NorenUp ↑