Um dos assuntos mais populares e polêmicos em âmbito internacional é a globalização e seus efeitos – veja, por exemplo, a regularidade do assunto nas pautas do Fórum Econômico Mundial, The Economist, Project Syndicate e Foreign Affairs e em acaloradas discussões políticas e acadêmicas mundo afora.

Este post trata de um aspecto menos trivial do tema: a transformação por que passa a globalização em sua perspectiva da produção e suas implicações.

As características mais distintivas da produção na primeira geração da globalização, que chamaremos de globalização 1.0, são a escala e a padronização da produção e a frenética busca por redução de custos, que levou ao outsourcing e à formação de cadeias globais de valor. Essas características se confundem com a transnacionalização da produção e das marcas, com a massificação do consumo e com a forte consolidação dos mercados em torno de um número cada vez menor de produtores dos bens e serviços que consumimos no dia-a-dia.

Mas a globalização 1.0 está ficando para trás. As novas tecnologias de produção e de gestão da produção, como nuvem, internet das coisas, big data, inteligência artificial, robotização, machine-learning, impressoras 3D e nanotecnologia, estão alterando profundamente a forma como se produz e o próprio padrão de consumo. Essas tecnologias dependerão cada vez mais de plataformas tecnológicas para a otimização de seus resultados e de toda uma parafernália de algoritmos, sistemas, softwares, rotinas, protocolos, parâmetros e regras na nuvem necessários para a manufatura avançada. É como se fosse um Amazon Web Services voltado para o “chão-de-fábrica”.

Essas tecnologias farão com que duas das características mais importantes da globalização sejam relaxadas: a escala e a padronização da produção. De fato, até bens manufaturados simples, como calçados esportivos e têxteis, antes produzidos em países em desenvolvimento em razão da força de trabalho barata, já estão sendo produzidos em países avançados.

As novas tecnologias já permitem, e permitirão ainda mais, a customização com pequeno ou nenhum aumento marginal do custo de produção. Nessas tecnologias, a produção depende cada vez menos do custo da mão de obra e de outros fatores competitivos convencionais e cada vez mais do entorno da produção, como condições de oferta de serviços sofisticados, instituições e centros de P&D com capacidade de inovar e de adaptar os produtos às características dos mercados locais e regionais.

Com isto, se esvai outra característica básica da globalização 1.0: a busca por locais que oferecem custos baixos de produção e, por conseguinte, a noção convencional das cadeias globais de valor.

A característica mais importante da produção na globalização 2.0 é a commoditização digital. Entra em cena a globalização das plataformas tecnológicas de produção e saem de cena a produção propriamente dita, bem como a priorização dos custos, padronização e escala da produção. O que se globaliza é a onipresença das plataformas que regem a produção, não a produção em si, cujo valor adicionado diminui em razão do aumento das plataformas tecnológicas na composição dos custos.  A gestão do desenvolvimento tecnológico é característica definidora da globalização 2.0, não a produção e a massificação do consumo. Trata-se de mudança paradigmática.

As implicações dessa mudança serão profundas, em especial para países que estão distantes da fronteira tecnológica e do desenvolvimento, distribuição e gestão das plataformas tecnológicas de produção. Como na globalização 1.0, a preocupação geral com emprego e desigualdade deverá perdurar, mas de forma bastante diferente. Isto porque, primeiro, a criação de empregos deverá se concentrar em países que desenvolvem, distribuem e gerem as plataformas e, segundo, a desigualdade de renda possivelmente aumentará tanto ou mais entre países usuários e desenvolvedores de plataformas tecnológicas do que entre os cidadãos de um mesmo país.

Estamos, ainda, no início da jornada da globalização 2.0 e, por isto, ela é ainda pouco visível a olho nu. Mas ela já está aí. Vê-la, é só questão de tempo.

Posts relacionados