Produtividade é, cada vez mais, motor do crescimento econômico. Para ser produtiva, uma economia requer conhecimento, infraestrutura, conectividade, interação com outras economias e ambiente e instituições favoráveis para que os recursos sejam realocados dos setores menos para os mais produtivos.

Mas, nos dias de hoje, em que complementariedade e sinergia entre setores são cada vez mais determinantes para a criação de valor, é especialmente importante que os segmentos envolvidos numa cadeia de valor também sejam produtivos. Essa relação será tão mais relevante quanto mais a economia for integrada à economia global.

O que acontece no Brasil? Considere o setor de serviços. A produtividade do setor de serviços é muito baixa para padrões domésticos e internacionais. De fato, a figura abaixo mostra o índice de competitividade do setor de serviços de 42 países avançados e emergentes. O setor de serviços do Brasil só é mais competitivo que o do Chile. (*)

O problema é que, primeiro, os serviços são o maior setor da economia, já perfazendo 70% do PIB, e a sua participação no produto segue aumentando. Segundo, o setor já contribui com a maior parte do valor adicionado de outros setores – no caso da indústria, essa contribuição já passa dos 64%.

Como consequência, os serviços são os principais determinantes da baixa produtividade agregada e “intoxicam” outros setores que os consomem como insumos.

Por que os serviços são tão pouco competitivos? E por que eles são tão grandes e influentes? Claro, são muitas as causas; destacamos aqui apenas alguns dos aspectos que consideramos mais relevantes.

O setor de serviços é pouco competitivo porque ele é muito protegido por regulações que inibem a competição. Reservas de mercado, regras e variados obstáculos desencorajam a entrada de novos competidores e mesmo a saída do mercado de empresas pouco eficientes. Em vários segmentos, a importação de serviços pode ser um desafio quase intransponível.

O setor é anormalmente grande para padrões internacionais porque a indústria, depois de ter atingido um pico de participação no PIB de 35% em meados da década de 1980, começou a contrair prematura e rapidamente. O setor de serviços, especialmente o de consumo final, que é o menos produtivo, foi o seu principal herdeiro no PIB e no emprego.

Já a elevada participação dos serviços no valor adicionado de outros setores se deve a tecnologias de organização da produção e a mudanças de preços relativos em favor dos serviços.

A volta do crescimento econômico no Brasil passa pelo setor de serviços. Será preciso introduzir reformas ambiciosas que aumentem a competitividade e a produtividade do setor, quebrar cartórios e monopólios e flexibilizar mercados, ao tempo em que se leva adiante políticas de acesso a tecnologias modernas, capital humano, conhecimento e crédito e políticas de atração de parcerias e de capital estrangeiro para o setor.

 

Competitividade dos serviços - indicador internacional

(*) O índice de competitividade internacional resulta da relação entre preços relativos e produtividade do trabalho. Elaboração e desenvolvimento próprios.

Posts relacionados