No Brasil, a típica empresa do setor de serviços emprega pouco e é pouco intensiva em capital. Não por acaso, o setor tem larga predominância de pequenos negócios.

Segundo dados do Sebrae/DIEESE, 99% das empresas de comércio e serviços são micro e pequenas empresas. Como esses dados não consideram a maior parte dos microempreendedores individuais (MEIs), que já perfazem quase 4 milhões de unidades só no setor de serviços, pode-se afirmar que o setor é quase que inteiramente composto por pequenos negócios.

Também não por acaso, o faturamento médio das empresas do setor é muito baixo. Ainda segundo o Sebrae, as microempresas de serviços (exclusive comércio) faturaram, em média, R$ 94 mil em 2012, ou R$7,8 mil por mês. Faturamento tão baixo reflete tanto a natureza das atividades realizadas que, em geral, são voltadas para o consumo final e são de baixo valor adicionado, quanto a modesta qualificação dos empregados e empresários do setor.

O problema de tão elevada participação de empresas com essas características é que temos um grande exército de unidades produtivas que pouco se beneficiam de ganhos de escala, têm pouco ou nenhum poder de negociação com fornecedores e têm pouco acesso a tecnologias.

Ao analisar os microdados da Pesquisa Anual de Serviços (PAS), do IBGE, Arbache (2015) encontra que, em média, quanto menor a empresa de serviços, maior é a produtividade (ver gráfico abaixo).

Infelizmente, esse resultado não deve ser motivo de comemoração. Primeiro, porque a amostra da PAS se baseia no Cadastro Central de Empresas, que não considera os MEIs. Se incluídos, muito provavelmente puxariam para baixo a produtividade média das empresas de 0 a 2 empregados.

Segundo, porque, embora a produtividade das empresas com 0 a 2 empregados seja relativamente maior que a das demais, em termos absolutos ela é baixa: cerca de R$ 70 mil por trabalhador/ano em 2011, menor do que a média de produtividade anual do trabalhador da indústria, que é de cerca de R$ 80 mil, segundo a PIA-IBGE.

Considerando que o setor de serviços já corresponde a 70% do PIB e que está cada vez mais presente nas cadeias de produção de outros setores, aumentar a produtividade agregada brasileira requer, necessariamente, elevar a produtividade e a competitividade dos pequenos negócios de serviços.

Posts relacionados